22/11/2017 Nilson Ruas Junior

Certificação Microsoft vale a pena?

Existem várias maneiras de um desenvolvedor (ou qualquer profissional) se qualificar, uma delas é através da certificação Microsoft. Ela basicamente vai assegurar às pessoas que você detém o conhecimento sobre algum assunto específico.

A maioria dos grandes players de tecnologia da atualidade fornecem a possibilidade de certificar os profissionais que desejam se aprofundar em alguma de suas tecnologias.

Seguindo esta ideia, a Microsoft é uma das empresas que disponibilizam essa opção de especialização. Ao perceberem a grande aceitação dos profissionais com esta modalidade, eles criaram certificações para praticamente todos os seus grandes produtos comerciais e para todas as áreas (não só desenvolvedores, veja a lista completa de certificações Microsoft).

Com o sucesso do modelo, passaram a criar as “trilhas” onde o profissional pode seguir conquistando uma lista de certificações de um determinado segmento e ao completar todas (ou seja, completar a trilha) ele recebe um selo da empresa.

Além do “carimbo” da grande empresa dizendo que você detém o conhecimento sobre determinado assunto, ao passar em alguma certificação a Microsoft disponibiliza alguns mimos como: desconto em e-books Microsoft, desconto em produtos Dell, acesso gratuito a uma rede social privada para profissionais certificados, além de materiais de divulgação para suas conquistas.

Qual o significado da sopa de letrinhas (MTA, MCSA, MCSE, MCSD)?

Dentro do universo de certificações Microsoft, existem ainda subdivisões através dessas siglas para diferenciar os níveis de “profundidade” sobre cada assunto. São elas:

MTA (Microsoft Technology Associate)

Nível mais básico de certificação Microsoft. É indicado para iniciantes na tecnologia, por serem assuntos mais simples. Não é pré-requisito para outras provas mais avançadas.

MCSA (Microsoft Certified Solutions Associate)

Nível intermediário de certificação Microsoft. Com assuntos mais complexos, servem de pré-requisito para selos mais avançados.

MCSE (Microsoft Certified Solutions Expert)

Nível avançado de certificação Microsoft. Englobando assuntos complexos, as certificações MCSE são, geralmente, relacionadas à redes e infraestrutura.

MCSD (Microsoft Certified Solutions Developer)

Nível também avançado de certificação Microsoft, assim como a MCSE. Porém, esta certificação é mais direcionada aos desenvolvedores de software.

Trilhas da Certificação Microsoft

As trilhas vão conectar várias certificações que se complementam sobre um determinado assunto. Por exemplo, no momento da escrita deste post existe uma trilha de certificações para adquirir o selo (e título) “MCSD: App Builder”. Para que o profissional consiga este selo, ele deve seguir os seguintes pré-requisitos: obter o selo “MCSA: Web Applications” e passar em uma das certificações exigidas (70-534, 70-355, 70-532, 70-487, 70-488, 70-354, 70-496, 70-497 ou 70-498). O selo MCSA: Web Applications”, por sua vez, exige que você tenha passado nas certificações 70-480 ou a 70-483 junto com o exame 70-486.

Dito isto, é possível ver que os assuntos vão se complementando para que a empresa consiga assegurar que ao atingir o selo final (MCSD: App Builder) o desenvolvedor tenha conhecimento suficiente para trabalhar com fluência utilizando as principais tecnologias exigidas durante o ciclo de desenvolvimento de software.

Vale ressaltar que as trilhas não são engessadas. Geralmente para que se conquiste um selo é possível escolher entre várias certificações com diferentes especialidades. Para se adquirir o selo de “MCSA: Web Applications” é possível escolher entre o exame 70-480 (sobre HTML5, CSS3 e Javascript) ou o 70-483 (sobre C#), permitindo com que eu escolha caso eu tenha mais interesse em me aprofundar em desenvolvimento web ou desktop, por exemplo. No entanto eu obrigatoriamente devo passar no exame 70-486 (sobre ASP.NET MVC) que é um conhecimento tido como obrigatório para a conquista deste selo.

Mas como assim não é só para desenvolvedor?

Sim, é isso mesmo!! Se você trabalha com o Microsoft Office por exemplo você pode seguir trilhas como: “MCSA: Office 365”, “MCSE: Productivity”, “MOS Expert 2016”, entre outras.

Ainda há opções para quem quer trabalhar com aplicações empresariais como o Microsoft Dynamics ou se especializar em banco de dados e BI.

Não tenho grana para a prova, como eu convenço meu chefe a custear as provas?

Além de todos os benefícios a própria certificação, a empresa em que você trabalha pode sair ganhando com isso.

O MPN (Microsoft Partner Network) é um programa da Microsoft, que muitas empresas adotam para diminuir o custo dos produtos utilizados pela empresa como: Windows, Office 365, Microsoft Azure, Dynamics, e por aí vai.

Um fator muito interessante das certificações Microsoft é que elas passaram por uma remodelação para que fossem alinhadas com o MPN. Assim, a empresa que tiver profissionais certificados pode obter benefícios (e descontos) através deste programa. Aí todo mundo sai ganhando, não é mesmo?

Hoje em dia muitas empresas estão olhando com mais carinho para as certificações. Um exemplo disso é a DB1, que fornece incentivo para que seus profissionais se certifiquem, tornando a equipe cada vez mais qualificada e ainda ganhando com isso.

Mas e aí, vale a pena?

Sim, vale. Algumas pessoas não olham certificações com bons olhos, mas particularmente acho uma excelente maneira de aprofundar seus conhecimentos em determinado assunto e sobretudo estudar.

As vezes devido a correria do dia a dia, deixamos os estudos de lado. Entramos no modo automático e utilizamos as ferramentas que nos permitem chegar no resultado final, mas muitas vezes sem entender o porquê e como as coisas de fato funcionam.

Ao estabelecer o objetivo de estudar para uma certificação, principalmente colocando uma data limite para que isto aconteça, você programa seu cérebro para te cobrar de estudar em prol do objetivo a ser cumprido.

As trilhas são ainda melhores neste sentido. Se você se propuser de atingir uma trilha por ano e estudar dois meses para realizar cada prova (imaginando que cada trilha exija 3 certificações), pronto, você tem conteúdo de estudo suficiente para estudar por pelo menos a metade do ano todo.

Não pense nas certificações como apenas um título (ou selo) que você terá. Pense nelas como uma maneira de estudar e testar seus conhecimentos e aí sim, de quebra, você leva a vantagem de conseguir um título com vários benefícios.

Quem viu, gostou também:

Certificação, por que não?

Tagged: ,

Sobre o autor

Nilson Ruas Junior

Nilson Junior é analista desenvolvedor web. Na maior parte do tempo de carreira, trabalha como “full-stack developer”. Tem experiência de trabalho em diferentes projetos, na maioria deles trabalhando com tecnologias Microsoft. Entusiasta do novo, busca sempre aperfeiçoar o conhecimento e aprimorar boas práticas no trabalho.