10/05/2018 Kaito Queiroz

A tecnologia blockchain e como se aplica ao Bitcoin

Hoje, muito se fala sobre o Bitcoin, moeda virtual que atingiu seu ápice de valorização no dia 17 de dezembro de 2017, chegando a valer 20 mil dólares a unidade, enquanto seu capital de mercado atingiu incríveis 326 bilhões de dólares. Se compararmos ao Facebook, por exemplo, onde a capitalização de mercado está em torno de 460 bilhões de dólares, constata-se que é um valor bem expressivo, e por esse motivo, o Bitcoin tem chamado muito a atenção.

Ao falarmos de Bitcoin, não podemos deixar de abordar um conceito de tecnologia, que os noticiários anunciam como “A maior revolução do século 21”; “Vai mudar o mundo”; “A maior coisa depois da internet”; Notícias essas que se referem ao Blockchain.

O conceito de blockchain foi definido pela primeira vez em 2008, quando foi publicado um artigo denominado “Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System” por Satoshi Nakamoto (cuja real identidade permanece um mistério até hoje). Nesse artigo de Satoshi, é proposta uma solução alternativa ao modelo de transações financeiras que acontecem hoje, onde transações pela internet dependem quase que exclusivamente de instituições financeiras servindo como terceiros que buscam garantir pagamentos eletrônicos. Satoshi argumenta que essa intermediação aumenta os custos de transações, além disso, um pagamento pode ser revertido mesmo após o serviço já realizado. E com a possibilidade de as transações serem reversíveis, aumenta-se o risco de fraudes e uma necessidade maior de confiança, exigindo que o comerciante solicite do cliente mais informações do que o necessário.

Assim, a necessidade é de que exista uma forma de realizar transações eletrônicas entre duas partes sem a necessidade de uma terceira parte de confiança, onde as transações sejam computacionalmente impossíveis de reverter e existam rotinas que garantem transações protegendo as negociações entre compradores e vendedores. Para resolver essa necessidade, surge a blockchain.

O que é a blockchain?

Explicar o que de fato é a blockchain não é fácil. Muitos autores definem essa tecnologia como uma espécie de conceito de arquitetura de banco de dados. Podemos começar assimilando esse conceito como se fosse um livro-razão contábil onde são registradas, por exemplo, transações de valores de um emissor para um destinatário.

Exemplo criptografia blockchain

Quando uma transação é enviada, essa é assinada digitalmente também com criptografia composta com todos os dados da transação gerando uma nova chave. Porém, a transação realizada não vai diretamente para a rede da blockchain, esse registro fica em uma espécie de área temporária esperando ser validado.

Exemplo de criptografia blockchain

E é nesse momento que entra o papel do “minerador”.

Minerando Bitcoins com Blockchain

O minerador ou miner, consiste em uma máquina que possui instalado um software específico conectado à rede da blockchain. O processo de mineração, basicamente, é tentar decifrar códigos com valores criptografados emitidos pelo software. Quem conseguir decifrar o código primeiro, ganha o direito de validar todas as outras transações pendentes na área temporária, e como recompensa, recebe uma determinada quantidade de Bitcoins.

Ao verificar a consistência de cada transação, é gerado uma espécie de “identificador da transação” juntamente com o tempo exato em que foi realizada a transação.

blockchain e bitcoin

Após o processo de verificação de cada transação realizada, mais uma vez a criptografia entra em cena compilando todas as transações que estavam na área temporária, gerando uma nova chave e um novo bloco dentro da rede blockchain.

Em português, a palavra blockchain pode ser traduzida como “blocos encadeados”. Esse nome dá-se a forma em que os blocos são organizados a fim de manter sempre a sua integridade dentro da rede. Quando o miner tenta inserir um novo bloco dentro da rede da blockchain, a chave do novo bloco em combinação com a chave final gerada no último bloco da rede, gera-se uma nova chave final. Isso causa um encadeamento entre todos os blocos que foram gerados na rede desde seu início.

criptografia em blockchain para bitcoin

Blockchain

Com toda essa criptografia, caso alguém queira tentar descriptografar e alterar uma transação ou manipular de qualquer forma as informações na blockchain, isso seria inviável computacionalmente devido à complexidade envolvida. Mesmo que consiga, depois de manipulado, teria que enviar novamente as informações para a rede, e na próxima verificação, claramente seria negado na conferência das chaves do último bloco. A cada novo bloco, maior a complexidade para descriptografar. Por isso, é comum as pessoas aguardarem mais alguns blocos serem processados para assim, então, validar a transação como finalizada.

Muito além do Bitcoin

Blockchain não se limita apenas ao Bitcoin ou apenas às moedas virtuais, ele se tornou um divisor de águas quando o assunto é segurança da informação, e vem sendo cada vez mais utilizado por empresas de vários ramos diferentes. Seu conceito é aplicável a diversas outras coisas do dia a dia que lidam com informações sigilosas ou precisam lidar com a consistência de dados sem serem manipulados. Já existem exemplos de uso em gestão de contratos (seguros, imóveis, construção, etc.), em bancos para transações financeiras, proteção de ativos (registro de patentes, royalties, etc.), dentre vários outros ramos e podendo se potencializar para áreas nem sequer imaginadas.

Por fim, o conceito de Blockchain vem provando seu valor a cada dia, trazendo como a principal vantagem a descentralização. Isto significa que a dependência de terceiros que monopolizam regulações, comprovações, registros e garantias de confiança pode estar chegando ao seu fim, trazendo inúmeras vantagens com a diminuição de burocracias onde duas partes negociam entre si sem nenhum tipo de órgão intermediador.

Leia também: Engenharia Social – O que é e como evitar ser enganado

Comentários

comentários

Sobre o autor

Kaito Queiroz Kaito Queiroz, desenvolvedor Full-Stack com PHP desde 2011. Graduado em Análise e Desenvolvimento de Sistemas pela Unicesumar. Certificado como Front-End Web Developer pela W3Cx. Atualmente Desenvolvedor de Software na DB1 Global Software focado em web com PHP ou como Front-End. Entusiasta de novas tecnologias ligadas à WEB, sempre em busca de novos conhecimentos para aprimorar minhas habilidades e fornecer sempre as melhores soluções em TI.