Inovação: como utilizar os lados direito e esquerdo do cérebro em prol de novas ações?

Nessa semana resolvi escrever sobre um conteúdo de inovação e criatividade, que aprendi com o Professor PhD Marcelo Carpilovsky, no MBA em Gestão Empresarial da FGV. A disciplina foi ministrada em 2015, mas o conteúdo continua muito atual.

Eu atuo no departamento de Inovação e nossa área fica responsável por resolver problemas globais. Ou seja, atuamos na concepção e criação de novos produtos que sejam escaláveis e que vão garantir a sustentabilidade da empresa no futuro. E, vejo muito do que vou falar no dia a dia, pois são conceitos que nos ajudam na prática cotidiana.

É comum ouvirmos dizer que as pessoas criativas são aquelas que têm muitas ideias originais. Mas de onde vêm essas ideias? Essa característica da originalidade é decorrente do pensamento divergente, que é aquele pensamento responsável pela geração de novas ideias e projetos e que é muito utilizado em brainstormings, em que quanto mais ideias, melhor é. É o pensamento criativo e, por isso, relacionado ao lado direito do cérebro.

As pessoas mais analíticas, por sua vez, aquelas pessoas mais lógicas, estas fazem uso de modo mais acentuado do lado esquerdo do cérebro, que é o lado responsável pelo pensamento convergente, que visa à relevância das ideias e a convergência para a melhor solução, aquela que tangibilize a eficiência e a eficácia.

Assim, no processo criativo é importante a soma da originalidade e da relevância. E, por isso, que se torna tão importante os lados direito e esquerdo do cérebro operando juntos. Neste interim, existem cinco fases do processo criativo, a saber: Identificação do Problema, Coleta de Informações, Geração de ideias, Verificação e Execução. Leia mais